Você está acessando nosso website pela primeira vez. Nosso site, objetivando permitir, particularmente, uma melhor interação com você, bem como para permitir funcionalidades para melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados, coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies. Para saber mais sobre a coleta de dados/informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Privacidade.

Aceitar Não aceitar

Para ver o formulário de contatos você aceita nossa Política de Privacidade.

Aceitar Não aceitar

JOTA QUEST REFAZ A COMUNHÃO COM O PÚBLICO QUE CANTA JUNTO HITS DA BANDA

O subtítulo do primeiro projeto acústico do grupo Jota Quest, Músicas para cantar junto, explicita a conexão da banda mineira com o chamado grande público. Muitas vezes alvo de preconceito por parte dos críticos musicais, justamente por ter construído ao longo de 22 anos uma obra pop e popular decalcada da soul music norte-americana, o Jota Quest pode até ser acusado de preguiça artística por estar pondo no mercado fonográfico mais um projeto em que recicla o repertório da banda. Mas a acusação seria injusta.
É fato que a discografia do grupo andou redundante nos anos 2000, com excesso de registros ao vivo de shows. Só que o recém-lançado CD/DVD Acústico Jota Quest – Músicas para cantar junto (Sony Music, 2017) vem ao mundo após dois álbuns de músicas inteiramente inéditas, Funky funky boom boom (2013) e Pancadélico (2015), que se impuseram como os melhores da irregular obra fonográfica do grupo. Foi com o fôlego renovado que o Jota Quest partiu para a primeira gravação ao vivo de formato acústico, orquestrada sob a produção de Liminha.
Sempre procurando manter o groove, a banda requisitou um trio de metais e enquadrou os principais sucessos nesse formato que andava meio em desuso, mas que já turbinou, na década de 1990 e nos 2000, carreiras em declínio. No caso do Jota Quest, que se mantém em cena sem perda da popularidade, o acústico tem como principal característica a transposição das músicas da guitarra para o violão de Marco Túlio Lara. Marcio Buzelin também explora sons menos elétricos nos teclados ao passo que PJ faz o mesmo no toque do baixo. Paulinho Fonseca suaviza a marcação da bateria para que as músicas da banda se afinem com o clima mais ameno, quase de luau, de projetos acústicos.
O que permanece é o inegável apelo pop do repertório do Jota Quest, reiterado nas inéditas A vida e outras histórias (Marco Túlio Lara, Tibless, Simões e Leoni), Morrer de amor (Alexandre Carlo) e Você precisa de alguém (Marcelo Falcão). Na gravação dessa música, o Jota Quest se junta ao autor da composição, Marcelo Falcão, conhecido por ser a voz do grupo carioca O Rappa. Com o detalhe de que é Falcão que se conecta com o universo do Jota Quest, e não o contrário.
Já a participação de Milton Nascimento em O sol (Antônio Júlio Nastácia, 2003) dá brilho especial a uma música já tantas vezes gravada pelo grupo em registros ao vivo. Sem falar que a simples presença de Milton, maior nome da música associada ao estado de Minas Gerais, por si só já enobrece o acústico do Jota Quest.
Enfim, por mais que seja (outro) passo retroativo da banda, a gravação ao vivo feita em maio, na cidade de São Paulo (SP), celebra e refaz a comunhão do Jota Quest com o público, dando tempo para a banda arquitetar um álbum de músicas inéditas que, espera-se, venha à altura dos recentes Funky funky boom boom e Pancadélico. Por ora, o que temos para hoje – e para os próximos meses – é um punhado de músicas para cantar junto no clima habitualmente celebrativo e retrospectivo dos acústicos.
Fonte: por Mauro Ferreira

Inatel

Instituto Nacional de Telecomunicações – Inatel

Campus em Santa Rita do Sapucaí - MG - Brasil

Av. João de Camargo, 510 - Centro - 37540-000

+55 (35) 3471 9200